Ginásio Experimental Olímpico Juan Antonio Samaranch

Veste como uma luva, para o grande terreno onde será erguido o Ginásio Experimental Olímpico, o ditado japonês que prega que “as dificuldades são como as montanhas. Elas só se aplainam quando avançamos sobre elas”. Encravado numa das encostas do Maciço da Tijuca, no alto de um vale de onde é possível avistar os morros do Escondidinho, dos Prazeres e do Fallet, em Santa Teresa, o antigo imóvel da Sociedade Civil de Divulgação Cultural Japonesa vê surgir um novo conceito de educação voltado para o esporte.

Abandonada após a intensificação dos conflitos armados na região, a escola foi comprada pela Prefeitura do Rio e vai, aos poucos, se transformando em modelo de formação acadêmica de jovens associada à prática de esporte.

logomarca do GEO

Bernardo Carvalho, diretor executivo da Empresa Olímpica Municipal (Instituto Rio 2016), ressalta que a importância da escola é ajudar a formar mais do que atletas, e sim pessoas.

– É um modelo inédito no Brasil, onde os alunos que têm aptidão para o esporte serão direcionados para essa escola e aqui receberão todos os incentivos e estrutura para desenvolverem as habilidades nas modalidades olímpicas – esclarece.

A unidade contará com modalidades tradicionais como futebol, além de outras mais especificamente olímpicas, como rúgbi, atletismo, basquete, vôlei, handebol e natação. Com a estrutura da escola pronta, são necessárias reformas para adaptação de alguns equipamentos.

O Ginásio Experimental Olímpico (GEO), que receberá o nome do ex-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) Juan Antonio Samaranch, deverá estar em pleno funcionamento no início de 2012, para que os alunos comecem na nova escola no início do ano letivo.

Coordenador do projeto de desenvolvimento do Ginásio Experimental Olímpico e professor de Educação Física por formação, Maurício Pinto comemora a nova realidade da educação municipal a poucos anos dos Jogos do Rio 2016.

– O GEO é um sonho que toda a comunidade esportiva do Rio de Janeiro sempre teve, de nós termos uma metodologia sistematizada em descobertas de talento – comemora o professor, mostrando orgulhoso o espaço, que contará com um segundo ginásio e alojamento para estudantes em intercâmbio.

De acordo com Maurício, além da seleção do por aptidão física, os alunos precisarão ter um desempenho escolar compatível com o esportivo para continuar no projeto. O coordenador destaca ainda que os alunos terão aulas de inglês diárias e suporte nutricional, psicológico e de saúde, em horário integral.

– Como essa escola já tem uma estrutura pronta, o primeiro Ginásio Experimental Olímpico vai ser aqui, e toda a experiência que nós adquirirmos aqui vamos levar e aperfeiçoar nos outros quatro GEOs; em Pedra de Guaratiba, Honório Gurgel, Caju e Ilha do Governador – detalha.